terça-feira, 30 de setembro de 2008

O nome já diz: VOLUNTÁRIO

Desde que comecei a trabalhar na minha segunda profissão, não é raro que a nossa chefe nos convoque a ajudar pessoas carentes, sejam elas colegas de profissão, tiazinhas da limpeza e até alunos.
Basta que alguém reclame da vida que ela move céus e terras pra ajudar a pedinte.
O duro é que as convocações começam com um e-mail (o que já bastaria pra entender que quem pode ou quer ajudar irá contribuir com a vaquinha), mas se você não se manifesta, começam as cobranças por telefone e, se não surtir efeito, a intimação é feita cara-a-cara e, neste último caso, você se vê obrigado a contribuir, senão é alvo de comentários, podendo até vir a sofrer represálias por não ter um bom coração ou um bolso cheio de dinheiro.
A admiro pelas boas intenções, mas entendo que ser voluntário é ajudar por vontade própria e não por obrigação... e se as coisas continuarem assim, certamente irei à falência...

Um comentário:

Carol disse...

E fazer cortesia com o chapéu dos outtros é bom né...